quinta-feira, 7 de novembro de 2013

A FILHA DO REGIMENTO / LA FILLE DU RÉGIMENT – Teatro de São Carlos, Novembro de 2013

(review in english below)

A Filha do Regimento é uma ópera cómica de G. Donizetti com libreto de J.H. Saint-Georges e F. Bayard. O argumento pode ler-se aqui.

Não sendo uma das minhas óperas preferidas de Donizetti, tenho-a visto algumas vezes porque quando é bem encenada e interpretada por músicos e cantores de grande qualidade, torna-se um espectáculo muito agradável. E, na actualidade, há um Tonio insuperável, Juan Diego Florez, que consegue empolgar qualquer audiência.

Na conjuntura actual penso que foi uma aposta arriscada do São Carlos levá-la à cena, sobretudo tendo em conta a exigência de cantores capazes para os papeis principais.

A encenação de Mário Redondo, baseada numa caixa de brinquedos, é simples, pouco imaginativa, mas nada chocante e perfeitamente adequada aos tempos de parcos recursos que atravessamos.

O maestro Rui Pinheiro dirigiu a Orquestra Sinfónica Portuguesa e o Coro do Teatro Nacional de São Carlos.

O soprano Cristiana Oliveira foi a Marie. No início ouviu-se mal e as notas mais agudas foram algo agrestes mas, com o desenrolar do espectáculo, melhorou bastante e acabou por fazer uma personagem muito aceitável para a elevada exigência do papel. Uma surpresa agradável.

O melhor da noite foi o barítono Luís Rodrigues como Sulpice. Interpretou a personagem ao nível do melhor que tenho visto. Voz poderosa e bem colocada, tímbre bonito, excelente presença em palco. Redimiu-se completamente do desaire que lhe aconteceu há semanas atrás, quando ficou sem voz em plena actuação, e mostrou que é um dos melhores cantores nacionais.

A Marquesa de Berkenfield foi interpretada pelo mezzo Patrícia Quinta. Esteve bem, sem deslumbrar.

Também João Oliveira fez um Hortensius decente, apesar de o papel ser pequeno.

E deixo para o fim o tenor italiano Alessandro Luciano que foi um Tonio para esquecer. O cantor não tem nem voz, nem figura, nem qualidades cénicas para o papel. Foi uma interpretação penosa e confrangedora, em contraste com as restantes.



The Daughter of the Regiment (La Fille du Régiment) is a comic opera by G. Donizetti with libretto by J. H. Saint - Georges and F. Bayard. The plot can be read here.

Not being one of my favorite Donizetti’s operas, I have seen it a few times because when it is well staged and performed by musicians and singers of great quality, it becomes a very pleasant performance. And at present, there is a top quality Tonio, Juan Diego Florez, who can excite anyone.

In the current situation I think it was a risk that the San Carlos Opera House took to stage this opera, particularly given the requirement of top quality singers able to interpret the soloist roles.

The staging by Mário Redondo, based on a toy box, is simple, unimaginative, but nothing shocking and perfectly suited to the times of scarce resources that we live.

Maestro Rui Pinheiro conducted the Orquestra Sinfónica Portuguesa and Chorus of the Teatro Nacional de São Carlos .

Soprano Cristiana Oliveira was Marie. In the beginning she was barely heard and the top notes were a little wild. However, along the performance, she greatly improved and made a very acceptable character for the high demands of the role. A pleasant surprise.

The best of the night was baritone Luis Rodrigues as Sulpice. He interpreted the character at the highest level, as the best I have seen. Well placed and powerful voice, beautiful tone, excellent stage presence. He redeemed himself completely from the problem that he had a few weeks ago when he became voiceless on stage. He showed that he is one of the best national singers.

The Marquise of Berkenfield was interpreted by mezzo Patricia Quinta. She was well without dazzle.

Also João Oliveira made ​​a decent Hortensius, although the role is small.

And I leave to the end the Italian tenor Alessandro Luciano who was a Tonio to forget. The singer has neither voice, nor figure, nor stage qualities for the role. It was a painful and distressing interpretation, in contrast to the other singers.


8 comentários:

  1. Assisti à estreia e não fiquei muito deslumbrado.

  2. Change hobby please....it is so clear that you don't understand nothing about opera and Music and you don't have enough experience in this "world". So please leave this important job to the intelligent and sensitive people. Thank you.

    1. Dear Giulia,
      I regret to inform that, despite your wise and kind advice, I will go on seing opera and commenting on what I see and hear in this blog. Perhaps I will reach the status of having enough experience in this "world", not to mention intelligence and sensitivity. Grazie mille.

    2. Dear Giulia,
      It is really a pity to have an Italian tenor performing a lot worst than we all want our sensory apparatus to sense. It is also comprehensible for us that you can’t accept it by a national duty of protection and care. However, our experience in this opera “world” gave us the capacity to know what a good voice is. What I really can’t understand is the reason you can’t argue anything in his favor. You must try!
      Nevertheless, we all are grateful for your encouraging commentaries, and ask you to continuing be a so rational and simultaneously emotional. You are probably the perfect match and the most intelligent and experience person on opera world, so it was really an honor.
      We will try to continue online despite our hobby bother you, and we invite you to explore a little bit more our blog. As you will se we are going to some interesting opera houses and do comments on what we see with great pleasure!
      AH! I can assure you that we all here all intelligent and sensitive enough to be considered one homo sapiens sapiens specimen.
      Best wishes!

  3. I will try to explaine to you, in easy and understandable words, what i have seen and why i say that your way to conceive the Opera World is absolutly wrong.
    It is not a problem of nationality, as you have said; the problem is to sing well.

    Mrs. Oliveira: nice voice, nice figure. Unfortunately the concept of intonation is something that she doesn't know at all. The most part of the opera she was under intonation.
    Let's talk about the first acute and the sovracuti? This is not SING this is SCREAM! The voice has no focus.
    The aria of the second act was good, but not the last note....
    Musicality was only acceptable, but nothing more than scolastic and cold.
    Probably she has to sing another repertoire...( i think she could be better like Violetta,Juliette,Marguerite...without put sovracuti....)

    Mr. Rodriguez: he has a good real bariton voice, and the role doesn't give him all the possibility to show his capacity. But what we can say is that his voice sounds like "Old" even if he is not. Probably he push too much and his vibrato is large. Yes his voice is powerful, but he is very "short" and it is clear that he has problem with high notes.
    He is a very good actor and i liked his job on the scene.

    Mr. Luciano: He has, for me and not just because i am italian, a nice timbre, a wonderful fraseggio and a impressive musicality.
    If sometimes the volume is not so big, for me it doesn't matter. ( You have written about Florez,which in terms of volume leaves much to be desired...i have tried to hear him a lot of time....Elisir in MET, elisir in Torino, Rigoletto in Dresda, Puritani in Madrid....In other cases i really liked him like in Mathilde di Shabran in Pesaro, the Cenerentola in Barcellona....)
    The intonation was always good, and the sound was always homogeneous. The high notes never shouted ( only one high Do i felt not really good ).
    In stage was amazing and funny, even if he is not Brad Pit ( one of the problem of the Opera world....the physical appearance is now more important than the voice ...)
    Of course i think he is not the best Tonio i have ever heard - i was in Paris with Alfredo Kraus and M.Campanella - but he is already young and i think he has all the possibility and instruments to do better in the future.

    The Mezzosprano Mrs. Quinta was in the normal range of the singers Who usually do this kind of roles.

    Mr. Oliveira has been a nice Hortensius.

    The Conductor M. Pinheiro has been absolutly irrilevant...no colours, no feelings and sometimes pushed the orchestra too much, like in the first scenes. But i think he has a good quality: he try to favors the singers and it is not frequent.

    The stage direction of Mario Redondo has been traditional even if a little bit poor.

    1. Dear Giulia,
      Thank you very much for your detailed and informative text. I am sure our readers will enjoy reading it. It is good that we do not all like the same. Diversity is richness. I could argue why I have a different opinion, but I will not do it. Once again, Grazie mille.

  4. Caro Fanático_Um,

    Assisti à récita de dia 8, sexta-feira e deixo aqui algumas impressões.
    No cômputo geral, penso que foi um espectáculo digno, especialmente se tivermos em conta as dificuldades orçamentais com que o TNSC se debate, bem como o aparente vazio de poder em que se encontra (não tenho notícia de já ter sido indicado o próximo director, o que coloca em causa a possibilidade de programar com tempo a(s) próxima(s) temporada(s).
    No que se refere à direcção orquestral, achei-a regular. Um maestro sempre atento aos tempos dos cantores, que privilegiou, como parece adequado numa ópera em que a componente orquestral está ainda muito confinada ao suporte da linha de canto. O principal defeito que detectei foi um certo “mastigar” dos números musicais, em especial dos números de conjunto e concertantes. Senti que se perdeu alguma da propulsão rítmica e da verve que os deve caracterizar, introduzindo-se alguma estaticidade. Senti isso particularmente no Acto I e na cena da lição de música.
    Alguns desacertos entre orquestra e cantores e algumas fífias instrumentais, mas sem grande relevância.
    A Marie esteve acima das minhas expectativas. É óbvio que quando se está habituado a ouvir a gravação com a Sutherland, qualquer outra cantora surge muitos furos abaixo. Mas, com excepção de algumas desafinações, agudos não alcançados e alguma tendência de atacar as notas por baixo, penso que o soprano Cristiana Oliveira cumpriu o papel com brio. Revelou alguma desenvoltura na coloratura, o timbre é agradável, embora às vezes esforçado e, no melhor plano, conseguiu traduzir emoção nas duas árias.
    Quanto ao tenor, fiquei com sentimentos contraditórios. Achei que tem um timbre bonito e, acima de tudo, homogéneo. “Safou-se” bastante bem com os dós sobreagudos do Pour mon âme quel destin!. Mas também achei que tem uma voz com pouco volume, que tende a silenciar se não for forçada, o que o faz desaparecer nos números de conjunto. Também não apreciei a composição da personagem, adoptando uma postura sempre gozona, quando me parece que o Tonio (que nome tão pouco tirolês!) é, de toda a ópera, a menos buffa. Não sei se foi opção do cantor, se instruções do encenador. Seja como for, achei desadequado.
    Quanto ao Luís Rodrigues, concordo inteiramente com a sua apreciação. Penso que foi melhor da noite e é uma pena a personagem não ter uma ária própria, o que seria impensável se a ópera tivesse originariamente sido escrita para os palcos italianos e não para Paris.
    Finalmente, a Madame la Marquise começou francamente mal na sua Pour une femme de mon nom, mas depois recuperou e fez um papel adequado, com um bom equilíbrio na comicidade.
    Quanto à encenação, achei desinteressante, especialmente porque a ideia da caixa de brinquedos foi completamente inconsequente. Excluindo o vídeo inicial, nada no decurso da ópera surge como consequência de se tratar de uma caixa de brinquedos (pelo menos que eu tenha percebido, é certo) O único momento que poderia ter sido explorado foi aquele em que Marie está a cantar a ária Par le rang et l’opulence e entretanto chega o regimento e começa a retirar algumas das peças do lego que formam o que parece ser a prisão em que aquela se encontrava. Mas essa ideia não parece ser levada até ao fim, pois não há uma verdadeira encenação do prenúncio da libertação de Marie que a música sugere.
    Em suma, bem melhor do que a trilogia popular de Verdi do início do ano. Vejamos o que o futuro no TNSC nos reserva!

  5. Olá Fanático_Um, estou de volta aqui conferindo suas potagens. Talvez para tristeza de alguns dos seus seguidores, já que tampouco sou musicista especializada em ópera, mas apenas como você frequento e consumo tudo o que me chama atenção neste mundo lúdico e delicioso que é a ópera. E também não resisto a compartilhar impressões e trocar experiências com outros apreciadores. Muita coisa interessante tem acontecido na cena operística aqui em Terra Brasilis, especialmente com a volta do nosso John Neschling ao comando do Theatro Municipal de São Paulo. Muito bem, cumprimentos à parte, vou seguir aqui me deliciando os reviews do site. Abraço do LesAmisdeLaMusique! :)