terça-feira, 19 de Agosto de 2014

PARSIFAL, Deutsche Oper, Berlim, Abril de 2014

(review in english below)

O pior Parsifal a que já assisti... Obviamente que não estou a falar da encenação, de Philipp Stölzl, a qual acho das melhores que já vi da obra juntamente com a do Guth e que foi um prazer rever. O resto é que foi globalmente mau e abaixo das expectativas.
A orquestra esteve nitidamente mal. A secção dos metais deu à vontade umas 10 a 15 fífias, desde entradas a medo e por isso meio desafinadas, até oscilações de intensidade de som. As cordas também tiveram um momento pontual menos bom. Não se sentiu a espiritualidade da música de Wagner e penso que isso também se deveu ao maestro (Axel Kober), alguém que acredito demasiado inexperiente no compositor. No primeiro acto fez demasiadas alterações de pace o que penso não ter contribuído para a coesão dos diversos naipes e as incertezas das entradas sem confiança dos metais. O aspecto geral traduzia uma orquestra "sacádica" ou "sincopada", não obstante algumas passagens em que funcionou bem, apesar da opção geral de um Parsifal rápido. Talvez o segundo acto tenha sido o menos mal conseguido.


Em relação aos cantores:
Gurnemanz de Hans-Peter König não foi brilhante. Primeiro acto com baixa expressividade facial, sempre a olhar para o maestro. No primeiro monólogo deixou transparecer o que viria a ser demasiado evidente no último acto: uma rouquidão e um catarro, por vezes bem disfarçado, mas na maioria não, obrigando (e quero acreditar que foi esse o motivo) a respirações incorrectamente posicionadas nas frases melódicas, frequentemente respirando na última palavra ou na penúltima sílaba (ainda pior) antes do final da frase principalmente quando esta se prolongava no tempo ou era em agudo. O início do terceiro parecia melhor nestes pontos interpretativos e vocais mas, se mais natural na parte interpretativa, o mesmo não se pode dizer da parte vocal. E ele sabe que as coisas não correram bem e acenou no final como quem pede desculpa (mas para este público de hoje tudo pareceu óptimo !?...).


O Amfortas de Bo Skovhus foi melhor no terceiro do que no primeiro acto. No monólogo do primeiro acto, na passagem mais séria do mesmo (quando diz "nahm ihm, nach seinem"...) esteve completamente descoordenado do andamento da orquestra. O seu sofrimento pareceu mais físico que da alma até porque foi bastante "monocórdico" na interpretação. Terceiro acto melhor mas não tocante. Tinha visto nesta encenação o Thomas Johannes Meier e que foi muito superior e muito mais apaixonante de ouvir.



O Parsifal de Stefan Vincke não é bom. Canta o Parsifal como canta o Siegfried e não pode ser. Não tendo uma voz de heldentenor, até se aceita (como o aceitei no anel da Royal Opera House) como Siegfried mas para Parsifal falta-lhe a capacidade de produzir um som menos grosseiro, em que o timbre não mude com as diversas intensidades imprimidas à voz e que seja capaz de modular a expressividade da mesma com fineza e classe. O resultado, embora não estivesse mal do ponto de vista corporal e interpretativo neste sentido, foi um Parsifal com aspecto de velho, onde não se percebeu a transição de tolo para iluminado e que só lhe faltou chamar Brunnhilde à Kundry, se me percebe...


Os melhores foram, sem dúvida o Titurel (Albert Pesendorfer), com o timbre e profundidade que se espera para o papel, a Kundry da Evelyn Herlitzius que é realmente brutal embora o seu estilo e voz inconfundível por vezes façam sentir os seus agudos potentes com gritos, e o Klingsor (Bastiaan Everink) que, não sendo um cantor de nível superlativo, cumpriu sem gaffes.


O coro também não esteve no seu melhor, principalmente no final em que se notou a sobresaírem os tenores, criando um som pouco celestial.

Uma coisa que se nota e que me faz alguma impressão é que há produções em que parece que os cantores não vivem o papel com paixão (não sei se por encararem a ópera apenas como um trabalho, se estão cansados ou se não tiveram tempo de ensaio suficiente) e depois resulta uma produção como esta em que parece que cada um canta o seu papel e pronto, o que transparece não interessa porque haverá quase sempre aplausos do público porque, para muitos dos que ali vão, qualquer coisa serve.
Se comparasse o espectáculo e a paixão interpretativa que foi toda a cena no quarto da Condessa nas Bodas de Figaro dois dias antes com este Parsifal todo, diria que Mozart sorriu e Wagner bufou de raiva onde quer que estejam...



Texto de wagner_fanatic.


PARSIFAL, Deutsche Oper, Berlin, April 2014

The worst Parsifal I have ever seen ... Obviously I'm not talking about Philipp Stölzl’s staging, which is one of the best I've seen (along with Guth’s) and it was a pleasure to review it. The rest was bad and has been generally below expectations.
The orchestra was clearly bad. The metals section made 10-15 mistakes, including bad entries, oscillations of intensity and of tune. The strings were also less well once. I did not feel the spirituality of Wagner's music and I think it was also due to the conductor (Axel Kober), someone who I believe is too inexperienced on the composer. In the first act he made
​​too many changes of pace that have not contributed to the cohesion of the various sections of the instruments. The general appearance represented a "saccadic " or "syncopated " orchestra, despite some parts that worked well, despite the general option of a fast Parsifal. Perhaps the second act was the more acceptable.

Regarding the singers:
Hans-Peter König´s Gurnemanz was not brilliant. In the first act he showed poor facial expressivity, always looking at the conductor. In the first monologue he hinted what would be too obvious in the last act: hoarseness and phlegm, sometimes well disguised, but mostly not, compelling (and I believe that was the reason) the incorrect breaths positioned in melodic phrases often breathing in ultimate or penultimate syllable (even worse) before the end of the phrase, especially when it is prolonged in time or was in a top note. In the beginning of the third act he looked better in these interpretative points but, if more natural interpretation on stage, the same can not be said of the vocal performance. And he knows that things did not go well at the end and waved as apologetic (but for this audience today everything seemed fine? ... ) .

Bo Skovhus’s Amfortas was better in the third than in the first act. In the monologue in the first act, particularly in the more serious part (when it says "nahm ihm, nach seinem" ...) he was completely uncoordinated in tempo with the orchestra. His suffering seemed more physical than of the soul because it was very "monotone" in interpretation. The third act was better but not touching. I had seen Thomas Johannes Meier before and he was far superior and more exciting to hear.

Stefan Vincke’s Parsifal is not good. He sings Parsifal as Siegfried and that can not be done. Not having a heldentenor voice one accepts as Siegfried (as I accepted in the Ring of the Royal Opera House), but as Parsifal he lacks the ability to produce a less coarse sound, where the tone does not change with the different intensities to the voice and that is capable of modulating the expression of the voice with class and finesse. The result, although not bad on the stage performance, was a Parsifal with the appearance of an old person, where you do not notice the transition from silly to illuminate, and that only he lacked to call Brunnhilde to Kundry. I do not understand.

The best were undoubtedly Titurel (Albert Pesendorfer), with the timbre and depth expected for the role, Kundry’s Evelyn Herlitzius which was really excellent, although her unmistakable voice style sometimes make feel her powerful top register hard, and Klingsor (Bastiaan Everink) while not being a superlative level singer, sang without mistakes.

The choir also was not at its best, especially at the end whe the tenors were particularly noted, creating a less heavenly sound.

One thing that strikes me is that there are productions in which it seems that the singers do not live the role with passion (not sure if by envisage the opera just as a job, if they are tired, or if they have not had time to rehearsal).  Then appear productions like this, where it seems that everyone sings their role and that´s it, no matter what message passes, because there will almost always come applause of the audience because, for many who go there, anything goes.
Comparing the performance and interpretative passion that I had seen two days before in the Countess’s room in Marriage of Figaro with all this Parsifal, I would say that Mozart smiled while Wagner huffed in rage, wherever they are ...


Review by wagner_fanatic.

terça-feira, 12 de Agosto de 2014

Concertos de Domingo, Fundação Gulbenkian, a propósito do concerto de 2 de Março de 2014


No passado dia 2 de Março assisti, às 11h00, ao primeiro dos Concertos de Domingo da Fundação Gulbenkian destinados, sobretudo, às famílias.
A iniciativa é muito louvável e, mais uma vez, a Fundação Gulbenkian está de parabéns.

O programa incluiu duas obras muito conhecidas, o Concerto para Violino e Orquestra de Mendelssohn e a 5ª Sinfonia de Beethoven. Foi solista no primeiro a violinista Birgit Kolar. A direcção da Orquestra Gulbenkian esteve a cargo do jovem maestro Pedro Neves. Esteve bem nas explicações prévias que deu sobre cada obra, foi claro e conciso. A orquestra, como habitualmente, ofereceu-nos uma bela interpretação.

Na assistência havia, naturalmente, muitas crianças. O que me intriga é o que motiva muitos adultos a levarem a estes concertos crianças de 1, 2 ou 3 anos, que lá estavam em número apreciável. Para elas é  um castigo e disso foi elucidativo o ruído constante que se ouviu. No final do primeiro andamento do concerto de Mendelssohn uma parecia estar a ser torturada, tendo sido levada para fora da sala. Na fila atrás da minha estavam dois irmãos que, para além de terem falado durante todo o concerto, estiveram sempre aos pontapés às costas da minha cadeira e, um deles, até quis conversar comigo várias vezes em pleno concerto, mantendo-se a mãe impávida, como se a situação fosse a mais natural. O que realmente apreciaram foram os aplausos, porque puderam bater palmas.

Por outro lado, à minha frente, estava também um casal com 3 filhas, já nos seus 5 a 9 anos que se comportaram exemplarmente, acompanhando com interesse o desenrolar do concerto e trocando opiniões com os pais sobre os andamentos apenas com gestos, sem o menor ruído.

Em resumo, os Concertos de Domingo da Gulbenkian são louváveis, baratos, com programas de fácil audição e bem interpretados. Contudo, a música é apenas uma das muitas coisas que se ouvem constantemente ao longo do espectáculo.

terça-feira, 5 de Agosto de 2014

AS BODAS DE FIGARO / LE NOZZE DI FIGARO, Teatro Schiller, Berlim, Abril 2014.


(review in english below)

O wagner_fanatic assistiu às Bodas de Fígaro no Teatro Schiller, Berlim. Ópera de WA Mozart, com libretto de Lorenzo da Ponte, foi interpretada sob a direcção musical de Christopher Moulds, numa encenação de Thomas Langhoff. Foram solistas Roman Treke como Counde de Almaviva, Dorothea Röschmann como Coundessa de Almaviva, Anna Prohaska como Susanna, Adam Plachetka como Fígaro, Anna Bonitatibus como Cherubino e Katharina Kammerloher como Marcelina.

Umas Bodas de Fígaro espectaculares!!! Conjugação de excelentes vozes com a direcção de actores mais perfeita e ao meu gosto que já vi. O que foi mais espectacular foi ter aquilo que eu procuro sempre quando vou assistir a um espectáculo de ópera e que é encontrar a perfeita sintonia entre a música e o teatro. Só em algumas vezes senti que assisti a algo praticamente sem falhas e ao meu gosto neste sentido holístico que é a Ópera.

O modo como as pessoas cantam, a sintonia entre elas e aquilo que de mágico conseguem transmitir varia e embora eu reconheça qualidade em muitas coisas que tenho visto, algo só me marca completamente quando transmite aquilo que foi pensado para aquela ópera. Quando falamos em Mozart, este não trabalhou para um lado e o da Ponte para outro e depois misturaram música e texto e as Bodas, o Don Giovanni e o Cosi fan tutte saíram como são. A música tem ideias que apoiam o texto, o texto tem ideias que acompanham a música e os cantores e encenadores tem de conhecer bem o que estão a dizer, conhecer para onde a música os leva, e saber transmitir isso a quem está a ver. Se isso não acontecer, não temos ópera.

Houve homogeneidade em todos os solistas mas verdadeiramente excelente foi Adam Plachetka!




The Marriage of Figaro / Le Nozze Di Figaro, Schiller Theater, Berlin, April 2014.

Wagner_fanatic attended The Marriage of Figaro at the Schiller Theatre, Berlin. An opera by WA Mozart with libretto by Lorenzo da Ponte, was performed under the musical direction of Christopher Moulds. The stage director was Thomas Langhoff. Soloists were Roman Treke as Count Almaviva, Dorothea Röschmann as Countess Almaviva, Anna Prohaska as Susanna, Adam Plachetka as Figaro, Anna Katharina Bonitatibus as Cherubino and Katharina Kammerloher 
as Marcelina.

A spectacular Marriage of Figaro! Combination of excellent voices to perfect actor and singers direction I've ever seen. What was most amazing was having what I always look for when I watch an opera performance and that is to find the perfect harmony between music and play. Only a few times I felt that I saw something almost flawless in my holistic perception of what is the Opera.

The way people sing, the line between them and what is magic that they can transmit varies, and although I recognize quality in many things I have seen before, something only touches me totally when transmitting what was thought to that opera. When we talk about Mozart, he did not work for one side, and da Ponte for another, and then they mixed music and text, and Le Nozze, Don Giovanni, and Cosi fan tutte just came as they are. Music has ideas that support the text, the text has ideas that accompany the music and the singers and directors have to know well what they are performing, to know where the music takes them, and to transmit it to who is watching. If not, we do not have opera.

There was homogeneity in all singer soloists but truly excellent was Adam Plachetka!

quinta-feira, 24 de Julho de 2014

GUSTAV MAHLER JUGENDORCHESTER — Fundação Gulbenkian, 24 e 25.04.2014

(Review in English below)

Uma vez mais, a Gustav Mahler Jugendorchester (GMJO) marcou presença na temporada da FCG.

Apresentou-se em dois dias consecutivos com um interessante programa que incluiu Berg, Bruckner, Mahler e Wagner.



Tudo começou com o Prelúdio do terceiro acto da ópera mística de Richard WagnerParsifal. Depois de uma interpretação de qualidade, sem que todavia tenha sido sobressaliente, a Orquestra homenageou o seu fundador — o maestro italiano Claudio Abbado — com um sentido momento de silêncio. Um aplauso surdo e de pé para um dos grandes mestres da música do século XX/XXI.

(fotos da internet/site da Gulbenkian)


Depois, o soprano alemão Christiane Karg tomou a seu cargo o interessante conjunto de Sete Canções de Juventude de Alban Berg. A obra é de difícil interpretação, mas Karg esteve em elevado nível, revelando uma potência vocal que sobressaiu sobre a orquestra, aliada a um lirismo envolvente, um timbre bonito e uma boa capacidade interpretativa. Mereceu um forte aplauso.



Seguiu-se a Sinfonia n.º 4 de Gustav Mahler. Esta obra composta em 1900 constituiu o prato forte da primeira noite de concertos e, uma vez mais, a GMJO não desiludiu neste registo que é o seu ponto forte. Interpretação de nível superior! E de que maneira se nota o entusiasmo destes jovens músicos. A orquestra soou como um todo e houve um excelente desempenho dos sopros, tal como é pedido. E mais uma vez Karg esteve em evidência: excelente voz.


O dia seguinte começou com Três peças para orquestra, op. 6 de Alban Berg. É uma obra muito interessante e com forte impacto, uma vez que tem uma instrumentação muito rica. Óptima interpretação.


Em seguida, ouviram-se as Quatro Últimas Canções de Richard Strauss. Compostas em 1948, um ano antes da morte do compositor, estas quatro canções com poemas de Hermann Hesse e Josef von Eichendorff são belíssimas, quer musicalmente, quer do ponto de vista literário. E a música — tão straussiana — acompanha com um lirismo incrível estes poemas. A interpretação do soprano americano Emily Magee foi de qualidade: tem uma voz potente, mas falhou algo na projecção acima da orquestra, cantou com sentimento e expressividade, mas não creio que tenha encantado. Confesso que me é difícil esquecer a interpretação absolutamente magnífica de Jessye Norman com Kurt Masur que é a minha referência absoluta nestas canções.



Terminou-se este duplo concerto com Anton Bruckner. A GMJO não resiste a apresentar-nos obras do grande sinfonista austríaco. Com uma interpretação vibrante, enérgica e a explorar todos os sentimentos e modulações da fantástica Sinfonia n.º 7 a GMJO despediu-se até para o ano — já se anseia pela Sinfonia n.º 2 de Gustav Mahler!




A terminar, e de novo, uma palavra de forte elogio e apreço por David Afkham que esteve impecável na condução sua orquestra. Afkham é, para mim, um dos grandes maestros da actualidade.


-----------
(Review in English)

Once again, the Gustav Mahler Youth Orchestra (GMJO) attended FCG season.
GMJO performed on two consecutive days with an interesting program that included Berg, Bruckner, Mahler and Wagner.

It began with the Prelude to the third act of mystical opera by Richard Wagner - Parsifal. After a quality interpretation, but that has not been an outstanding one, the orchestra paid tribute to its founder - the Italian conductor Claudio Abbado - with a sense silence. A deaf applause for one of the twentieth century music XX/XXI greatest masters.

After the German soprano Christiane Karg took over the interesting cycle of Seven Songs of Youth by Alban Berg. The work is difficult to interpret, but Karg was at a high level, revealing a vocal power that stood out above the orchestra, combined with an engaging lyricism, a beautiful timbre and a good interpretative ability. Merited applause.

It followed Symphony no. 4 of Gustav Mahler. This work composed in 1900 was the main course of the first night of concerts and, once again, the GMJO not disappoint in this register, which is its strong point. Interpretation of higher level! And that way we note the enthusiasm of these young musicians. The orchestra sounded as a whole and there was an excellent performance from wind instruments, as requested. And again Karg was in evidence: excellent voice.

The next day began with Three pieces for orchestra, op. 6 of Alban Berg. It is a very interesting work of high musical impact, since it has a very rich instrumentation. Optimal interpretation.

Then were heard the Four Last Songs of Richard Strauss. Composed in 1948, a year before the composer's death, these four songs to poems by Hermann Hesse and Joseph von Eichendorff are gorgeous, whether musically or the literary point of view. And the music - so Straussian - attached with an incredible lyricism of these poems. The interpretation of the American soprano Emily Magee was of quality: she has a powerful voice, but something failed in the projection above the orchestra, sang with feeling and expressiveness, but I do not think she enchanted. I confess that I find it hard to forget the absolutely magnificent interpretation of Jessye Norman record with Kurt Masur which is my absolute reference in these songs.

Ended up this double concert with Anton Bruckner. The GMJO does not resist presenting us the great Austrian symphonist works. . With a vibrant, energetic and exploring all the fantastic feelings and modulations of Symphony No 7, GMJO interpretation was superb and we are already looking for Symphony No. 2 by Gustav Mahler the next season.


Finally, and again, a word of high praise and appreciation for David Afkham who was flawless in conducting his orchestra. Afkham is, for me, one of the greatest conductors of our time.