segunda-feira, 18 de novembro de 2019

Fanáticos da Ópera – 10 anos! / Opera Fanatics – 10 years!



(Text in English below)

O blogue Fanáticos da Ópera completa hoje 10 anos de existência! Teve 1 023 250 visitas. Recebe cerca de 200 visitas diárias, foram publicados 885 posts, tem muitas centenas de comentários e tem actualmente 193 seguidores. Contudo, já foi um espaço muito mais dinâmico. A data de hoje seria simbólica para o seu encerramento, mas enquanto houver ânimo continuaremos a manter o blogue, apesar das circunstâncias adversas. Porque, para alguns de nós, é um local de relato de prazeres que, quando partilhados, comentados e criticados, são muito mais recompensadores do que quando fruídos solitariamente.




Ao longo da sua existência o espaço foi enriquecido com textos (alguns excelentes) de vários autores, dos dois lados do Atlântico, incluindo wagner_fanatic, camo_opera, FanaticoDois, De Moura, MC, Ali Hassan Ayache, João Baptista, Lucas Andrade, Francisco Casegas, José António Miranda, Eduardo Vieira e FanaticoUm. A todos o nosso Muito Obrigado pelos contributos e por ajudarem a manter viva a chama do blogue.



Aqui ficam alguns dados estatísticos (top 10):

Posts mais lidos:

Visitas mais frequentes (Países): 1- Estados Unidos da América; 2- Portugal; 3- Brasil; 4- Rússia; 5- Alemanha; 6- França; 7- Espanha; 8- Itália; 9- Reino Unido; 10- Ucrânia



Óperas mais vistas e comentadas: Rigoletto (22); Parsifal (21); Die Walküre (21); Don Giovanni (21); La Traviata (20); La Bohème (14); Le Nozze di Figaro (13); Madama Butterfly (13); Lohengrin (12); Otello (12).

Compositores mais citados: Wagner (109); Verdi (109); Puccini (62); Mozart (59); Donizetti (38); Richard Strauss (21); Rossini (20); Bizet (18); Bellini (16); Massenet (16).



Cantores mais comentados: Anna Netrebko (30); Jonas Kaufmann (25); Placido Domingo (23); Luís Rodrigues (22); René Pape (19); Joyce DiDonato (18); Piotr Beczala (18); Michael Volle (17); Nina Stemme (17); Vittorio Grigolo (17).

Salas de espectáculos mais visitadas: Metropolitan Opera (134); Royal Opera House (103); Fundação Calouste Gulbenkian (92); Teatro Nacional de São Carlos (45); Wiener Staatsoper (40); Theatro Municipal de São Paulo (34); Liceu Barcelona (32); Bayerische Staatsoper (22); Opernhaus Zürich (17); Theatro de São Pedro (16).





Opera Fanatics - 10 years!

The blog Fanáticos da Ópera / Opera Fanatics completes 10 years of existence today! So far we had 1 023 250 visits. It currently has 193 followers, receives about 200 hits daily, has been published 885 posts and has many hundreds of comments. However, it was before a much more dynamic space. Today's date would be symbolic for its end, but as long as there is the mood we will continue to maintain the blog despite adverse circumstances. Mostly because, for some of us, it is a place of pleasure reporting that, when shared, commented and criticized, is far more rewarding than when enjoyed alone.

Throughout its existence the blog has been enriched with texts (some excellent) from various authors from both sides of the Atlantic, including FanaticoUm, Wagner_fanatic, camo_opera, FanaticoDois, De Moura, MC, Ali Hassan Ayache, João Baptista, Lucas Andrade, Francisco Casegas, José António Miranda and Eduardo Vieira. Thank you all for your contributions and for helping to keep the blog flame alive.

Here are some statistics (top 10):

Most read posts:

Most Frequent Visits (Countries): 1- United States of America; 2- Portugal; 3- Brazil; 4- Russia; 5- Germany; 6- France; 7- Spain; 8- Italy; 9- United Kingdom; 10- Ukraine

Most viewed and commented operas: Rigoletto (22); Parsifal (21); Die Walküre (21); Don Giovanni (21); La Traviata (20); La Bohème (14); Le Nozze di Figaro (13); Butterfly Butterfly (13); Lohengrin (12); Otello (12).

Most cited composers: Wagner (109); (Verdi 109); Puccini (62); Mozart (59); Donizetti (38); Richard Strauss (21); Rossini (20); Bizet (18); Bellini (16); Massenet (16).

Most commented singers: Anna Netrebko (30); Jonas Kaufmann (25); Placido Domingo (23); Luis Rodrigues (22); René Pape (19); Joyce DiDonato (18); Piotr Beczala (18); Michael Volle (17); Nina Stemme (17); Grigolo Vittorio (17).

Most visited theatres: Metropolitan Opera (134); Royal Opera House (103); Calouste Gulbenkian Foundation (92); São Carlos National Theater (45); Wiener Staatsoper (40); São Paulo Municipal Theater (34); Barcelona High School (32); Bayerische Staatsoper (22); Opernhaus Zurich (17); St. Peter's Theater (16).

sexta-feira, 15 de novembro de 2019

NORMA, Bayerische Staatsoper, Munique, Julho /Munich, July 2019



(review in English below)

Texto de camo_opera

A Norma de Bellini foi o primeiro espectáculo que vi em Munique.

Começou logo mal porque a Sonya Yoncheva cancelou devido à onda de calor que, não sendo o teatro refrigerado, podia causar-lhe um embaraço de outro género.

Começando pela orquestra, podemos dizer que foi dirigida competentemente por Andrea Battistoni e que o coro também esteve à altura dos pergaminhos do teatro. Contudo, tudo o resto foi decepcionante. A começar pela encenação de Jurgen Rose: escuríssima, despida, estática, lenta, sonolenta e cheia de parvoíces. Os druidas de metralhadoras, a pira que nunca se acende. Enfim, tudo mau.



Depois os cantores não brilharam. A Norma foi de Carmen Giannattasio: gritou do início ao fim, mas foi bastante aplaudida. 

O Pollione de Riccardo Massi foi dos melhores: tem um timbre chorão, mas sempre audível e foi, no meu ver, o mais destacado, embora pouco. O Oroveso de Mika Kares foi baço e nem sempre audível como se espera. A Adalgisa de Angela Brower cumpriu bem vocalmente, sem ser brilhante. O restante elenco esteve bem.


Mas foi apenas uma récita enfadonha de uma ópera belíssima. Uma pena!



NORMA, Bayerische Staatsoper, Munich, July 2019

Text by camo_opera

The Bellini’s Norma was the first opera I saw in Munich.
It started badly because Sonya Yoncheva cancelled due to the heat wave that, because the theatre has not air conditioned, could cause her an embarrassment of another sort.

Starting with the orchestra, we can say that it was directed competently by Andrea Battistoni and that the choir also lived up to the parchments of the theater. However, everything else was disappointing. Jurgen Rose's staging is dark, naked, static, slow, drowsy and full of foolishness. The druids with machine guns, the pyre that never lights. Anyway, all bad.

Then the soloist singers did not impress. Norma was Carmen Giannattasio: she shouted from beginning to end, but was quite applauded. Pollione by Riccardo Massi was one of the best: he has a whimpery timbre, but he was always audible and he was, in my opinion, the most outstanding, although not that much. Mika Kares' Oroveso was opaque and not always audible as expected. Angela Brower's Adalgisa sung well without being brilliant. The rest of the cast was ok.

But it was only a dull performance of a beautiful opera. A shame!

segunda-feira, 11 de novembro de 2019

RIGOLETTO, Teatro Alla Scala, Milão, Setembro / September 2019



(texto in English below)

Texto de Wagner_fanatic

Maestro – Daniel Oren
Encenação – Gilberto Delfo

Rigoletto – Leo Nucci
Gilda – Francesca Manzo
Il Duca di Mantova – Rodrigo Porras Garulo
Sparafucile – Toni Nezic
Maddalena – Daria Cherniy
Giovanna – Valeria Girardello
Monterone – Maharram Huseynov
Marullo – Ramiro Maturana



A encenação já é “crónica” do Scala. É do mais clássico que se pode ter mas por esse motivo é um pouco secante. A única coisa assim melhor é as vestes do Rigoletto e o facto de chover mesmo em palco no 3º acto. De resto é um bocadinho monótona.



Não foi mau mas... não fez o bis. Isto é ele com uns cantores novinhos da Academia do Scala. Não são maus mas parece que falta qualquer coisa... vozes com timbre bonito, impressiona mais a expressividade com que cantam e se movimentam em palco, mas nota-se que ainda precisam de rodagem. Ou então é preconceito meu pela juventude. O Sparafucile tem uma voz excelente do que se pede para o papel mas é muito novo, parece que não joga o corpo com a voz :) Na segunda-feira muda o elenco mantendo o Nucci. Nucci está imparável a todos os níveis. Acho que não houve bis mais por ela do que por ele. O público também me pareceu pastelão...








E cantam muito atrás no palco o que também não ajudou na projeção das vozes jovens. Se calhar estou a exagerar para o “mau” mas senti muito que era Nucci e os “miúdos”... E que para o nível em que ele está precisava de ser com os da Traviata da Arena, por exemplo. Um Grigolo e uma Oropesa aqui tinham dado um espetáculo merecedor.








RIGOLETTO, Teatro Alla Scala, Milan, September 2019

(text in English below)

Wagner_fanatic text

Conductor - Daniel Oren
Direction - Gilberto Delfo

Rigoletto - Leo Nucci
Gilda - Francesca Manzo
Mantova's Duca - Rodrigo Porras Garulo
Sparafucile - Toni Nezic
Maddalena - Daria Cherniy
Giovanna - Valeria Girardello
Monterone - Maharram Huseynov
Marullo - Ramiro Maturana

The staging is "chronicle" of Scala. It is the most classic one can have but for that reason it is a bit boring. The only thing better is Rigoletto´s dresses and the fact that it really rains on stage in Act 3. Otherwise it is a little monotonous.

It wasn't bad but ... he didn't do the encore. This is Nucci with some young Scala Academy singers. Not bad but it seems that something is lacking ... voices with beautiful timbre, impress more with the expressiveness with which they sing and move on stage, but it is noted that they still need to mature. Or it's my prejudice for youth. Sparafucile has an excellent voice for the role but is very young, it seems that the body and the voice are from two different people :). Next Monday the cast changes except Nucci. Nucci is unstoppable at all levels. I think there was not an encore more because of her than for him. The audience also seemed to me slow...

And they sang far back on stage which also didn't help in projecting the young voices. Maybe I'm exaggerating to the "bad" but I felt it was Nucci and the "kids" ... And that his top level he needs other top singers with him, like in the recent Traviata in Arena di Verona, for example. A Grigolo and an Oropesa here had given a worthy performance.