segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

O ANEL DO NIBELUNGO, introdução breve para principiantes, como eu / THE RING OF THE NIBELUNG, brief introduction for beginners like me



(text in English below)

 No ano do bicentenário do nascimento de Richard Wagner tive o privilégio de assistir recentemente a um Anel completo (em Munique) e conto ainda assistir a outro, em Maio. Já muito se escreveu neste blogue sobre as óperas do Anel, pois há grandes apreciadores de Wagner entre os Fanáticos.

Como, no meu caso, a aprendizagem tem sido lenta mas sempre cada vez mais fascinante e reveladora, atrevo-me a escrever umas breves linhas introdutórias à obra pensando em dois grupos de leitores, os que vêem / ouvem ópera esporadicamente e não conhecem Wagner e os que, fazendo-o mais regularmente, pensam não gostar das óperas do compositor (sim, é uma situação possível e convivo muito de perto com um desses casos). Que me perdoem esta ousadia os wagnerianos, mas este texto não é para eles.

O Anel do Nibelungo
Der Ring des Nibelungen (O Anel do Nibelungo) é a maior e mais fabulosa obra da história da ópera, concebida e escrita por um compositor ímpar do romantismo alemão, Richard Wagner.
Integra quatro óperas, Das Rheingold (O Ouro do Reno) que é o prólogo às três seguintes, Die Walküre (A Valquíria), Siegfried e Götterdämmerung (O Crepúsculo dos Deuses). São mais de 15 horas de música que Wagner levou quase 30 anos a compor, sob o patrocínio do rei Luís (Ludwig) II da Baviera.
A obra foi inspirada em contos tradicionais alemães e escandinavos mas teve também influência dos movimentos revolucionários do Século XIX e mudança radical das ordens estabelecidas.

Wagner concebeu um universo fantástico povoado por deuses míticos, homens e outros seres, entre eles os nibelungos (anões que vivem no interior da terra). A natureza é violada e as suas leis são ignoradas. Dominam o poder e a ganância mas, no final, o amor acaba por vencer. Tudo termina com os deuses a assistirem, impotentes, à sua destruição.

(Richard Wagner)

 As personagens principais incluem:
- os Deuses: Wotan (baixo-barítono), disfarçado de viajante (wanderer) na ópera Siegfried, Fricka (mezzo-soprano), sua mulher, Loge (tenor), deus do fogo, Freia (soprano), deusa da juventude, irmã de Fricka, Donner (barítono), deus do trovão, Froh (tenor), deus da felicidade, Erda (contralto), deusa da terra.
- os Wälsungs, descendentes de Wälse (Wotan): Siegmung (tenor), Sieglinde (soprano), irmãos gémeos e Siegfried (tenor), filho de ambos.
- as Valquírias, guerreiras virgens filhas de Wotan: Brünnhilde (soprano), Waltraute (mezzo-soprano), e mais sete.
- as 3 Nornas (soprano, mezzo-soprano e contralto), filhas de Erda, que tecem os fios do destino.
- as Filhas do Reno (sopranos e contralto), 3 ninfas.
- Hunding (baixo), marido de Sieglinde.
- uma ave (soprano) da floresta.
- os Nibelungos Alberich (barítono), Mime (tenor), Hagen (baixo), filho de Alberich e outros, anões que habitam o Nibelheim, um reino subterrâneo.
- os gigantes Fafner (baixo) e Fasolt (baixo-barítono) que constroem Walhall, o castelo dos deuses.
- os Gibichung, Gunther (barítono) e Gutrune (soprano), habitantes de um palácio real no Reno.



Os leitmotiv:
Musicalmente é uma obra de proporções gigantescas, que contém alguns dos excertos musicais mais belos alguma vez compostos e que é dominada pelos leitmotiv (motivos condutores). Estes são temas recorrentes, cada um associado a um elemento do drama, que conferem unidade à obra. Wagner definiu-os como momentos melódicos orquestrais que constituem um guia emotivo.

O símbolo fundamental da obra é o leitmotif da natureza (que abre o Ouro do Reno), de onde tudo surge e onde tudo regressa. Sofre transformações melódicas sucessivas de acordo com o evoluir da acção. O mesmo se passa com os mais de 200 leitmotiv que integram o Anel, associados a personagens, objectos, acontecimentos e emoções.

Muito resumidamente, o que se passa em cada ópera:

Das Rheingold (gravura de Josef Hoffmann para o primeiro Anel em Bayreuth, 1876)

No Ouro do Reno, o nibelungo Alberich rouba o ouro às filhas do Reno, que dará poder absoluto a quem fizer com ele um anel, mas renunciando ao amor. Wotan tem que entregar Freia aos gigantes Fafner e Fasolt como prémio por lhe terem construído Walhall, o castelo para os deuses. Fricka, sua mulher, opõe-se. Com a ajuda de Loge, Wotan desce ao fundo da terra, a Nibelhein, reino dos nibelungos, onde Alberich os escraviza e onde o seu irmão Mime construiu um elmo mágico que tornará invisível quem o usar. Wotan prende Alberich (que se transformara em sapo por efeito do elmo) e recupera o ouro, o elmo e o anel em troca da sua libertação. Alberich lança uma maldição ao anel. Erda, deusa da terra, avisa Wotan sobre o crepúsculo dos deuses se não se livrar do anel. Wotan, em troca de Freia, dá aos gigantes o ouro, o elmo e o anel. Começa a ver-se o poder da sua maldição: Fafner mata o irmão Fasolt. Os deuses sobem para Walhall.

Die Walküre (gravura de Josef Hoffmann para o primeiro Anel em Bayreuth, 1876)

Na Valquíria Siegmund foge de inimigos numa tempestade e refugia-se numa cabana onde é recolhido por Sieglinde. O marido Hunding chega, reconhece nele um inimigo e desafia-o para um combate mortal na manhã seguinte. Sieglinde coloca-lhe um soporífero na bebida. Siegmund conta a Sieglinde que foi separado à nascença da irmã gémea. Apaixonam-se de imediato, ela diz-lhe o seu verdadeiro nome, mostra a espada Nothung que o pai de ambos (Wälse, pseudónimo de Wotan) lhe destinou, cravando-a num freixo. Siegmung recupera a espada e foge com Sieglinde, irmã gémea e mulher. Tudo foi urdido por Wotan para garantir a continuação do seu poder.
Wotan cria um exército de valquírias, filhas castas e seus instrumentos para juntarem uma legião de heróis mortos para o servirem em Walhall. Fricka repreende-o e exige que ordene a Brünhilde, filha predilecta, que mate Siegmund pelo seu comportamento incestuoso. Brünhilde fica impressionada com a dedicação amorosa de Siegmung a Sieglinde. Decide protegê-lo, desobedecendo ao pai. Em vão. Na luta com Hunding, Siegmund é morto porque Wotan lhe quebra a espada. De imediato, Wotan mata Hunding. Brünhilde foge no seu cavalo Grane com Sieglinde e os restos da espada Nothung.
As valquírias recolhem os corpos dos heróis mortos para, numa nova vida, guardarem os deuses em Walhall. Sieglinde está grávida, Brünhilde dá-lhe os restos da espada e diz-lhe para fugir para a floresta. Wotan castiga-a por desobediência. Condena-a à mortalidade e ficará num sono no alto da montanha, protegida por um fogo sagrado, donde só poderá ser despertada pelo maior dos heróis. O leitmotif de Siegfried revela que será ele (que ainda não nasceu) a fazê-lo.

     Siegfried (gravura de Josef Hoffmann para o primeiro Anel em Bayreuth, 1876)

Em Siegfried, o nibelungo Mime, que criou Siegfried porque a mãe Sieglinde morreu no parto, planeia usá-lo para matar Fafner (agora transformado em dragão) e recuperar o anel, o ouro e o elmo mágico. Contudo, não consegue reconstruir a espada Nothung. Surge Wotan disfarçado de viajante (wanderer) que o desafia para um duelo de enigmas, perdendo a vida o que falhar. É Mime quem não descobre a resposta de quem será capaz de reconstruir a espada.
Será alguém que não sabe o que é o medo – Sigfried.
Alberich também vigia a gruta de Fafner, na tentativa de obter o ouro. Siegfried é lá enviado por Mime e, como não conhece o medo, mata o dragão. Ao provar inadvertidamente o seu sangue, passa a perceber o canto de uma ave que o aconselha a levar o anel e o elmo e o avisa que Mime o pretende matar. Siegfried mata Mime e é levado pela ave para o rochedo onde o anel de fogo protege Brünhilde, sua futura mulher.
Erda volta a dizer a Wotan que o crepúsculo dos deuses está próximo. Siegfried confronta-se com Wotan e quebra-lhe a lança com a espada Nothung. Acorda Brühnilde com um beijo, ela renuncia à imortalidade e a Walhall e entregam-se ao amor a que estavam predestinados.

 Götterdämmerung (gravura de Josef Hoffmann para o primeiro Anel em Bayreuth, 1876)

No início de O Crepúsculo dos Deuses, as 3 Nornas, filhas de Erda, recordam os desastres do passado e prevêem a destruição dos deuses.
Siegfried, antes de partir do rochedo, dá a Brünhilde o anel como símbolo do seu amor e fidelidade. Brühnilde retribui entregando-lhe o seu cavalo Grane.
No palácio dos Gibichung, uma família real do Reno, Hagen, filho de Alberich, dá a beber a Siegfried uma poção que o faz esquecer qualquer mulher. Siegfried e Hagen continuam o duelo dos seus pais.
Siegfried apaixona-se por Gutrune, irmã do rei Gunther que pretendem que case com Brünhilde.A valquíria Waltraute visita Brünhilde e tenta, em vão, que ela renuncie ao anel, salvando os deuses. Aparece Siegfried, disfarçado de Gunther pelo elmo mágico, tira-lhe o anel e dormem separados pela espada Nothung.
Hagen ouve o pai pedir-lhe para reconquistar o anel e matar Siegfried. Gunther chega com Brühnilde e Siegfried não a reconhece. Ao ver o anel no seu dedo, acusa-o de traição, o que Siegfried nega, afirmando não ser casado com Brünhilde. Esta é convencida por Hagen que Siegfried tem de morrer.
Siegfried vai caçar e é avisado pelas Filhas do Reno da sua morte próxima. Hagen dá-lhe uma poção mágica e volta a recordar-se de Brünhilde. É morto por Hagen e levado para o palácio. De novo a maldição do anel manifesta-se quando Hagen mata Gunther na tentativa de tirar o anel a Siegfried, mas quem fica com ele é Brünhilde. Para acabar com a maldição, lança-se com o anel na pira funerária de Siegfried.
Wallhal é consumido pelo fogo, as Filhas do Reno recuperam o anel e afogam Hagen.   

Quanto ao Anel:
Ouro do Reno: É construído com o ouro roubado às Filhas do Reno e é possuído por Alberich, Wotan, Fasolt e fica com Fafner.
Valquíria: permanece com Fafner.
Siegfried: É tirado a Fafner por Siegfried que fica com ele.
Crepúsculo dos Deuses: É oferecido por Siegfried a Brünhilde, volta a ser possuído por Siegfried, novamente também por Brünhilde e acaba com as Filhas do Reno.

 Já esta temporada o wagner_fanatic assistiu a um Anel completo, em Londres, e comentou aqui, aqui, aqui e aqui.

Nos próximos dias, o relato da minha vivência do Anel em Munique.



THE RING OF THE NIBELUNG, brief introduction for beginners like me

In the bicentennial year of the birth of Richard Wagner I had the privilege of watching a complete Ring cycle (in Munich) and I still plan to watch another one, in May.
Much has been written on this blog about the operas of the Ring, because there are great lovers of Wagner among the Opera fanatics.As in my case, learning has always been slow but increasingly fascinating and revealing, I dare to write brief introductory lines to this work, thinking of two groups of readers, those who see / hear opera sporadically and do not know Wagner and those that think they do not like the composer's operas (yes, it is a possible situation and I live very closely with one of these cases). I hope the Wagnerians forgive me this decision, but this text is not for them.
The Ring of the Nibelung
Der Ring des Nibelungen (The Ring of the Nibelung) is the largest and most fabulous work in the history of opera, conceived and written by romanticism German composer Richard Wagner.It integrates four operas, Das Rheingold (The Rhinegold) which is the prologue to the three following operas, Die Walküre (The Valkyrie), Siegfried and Götterdämmerung (The Twilight of the Gods). All together they are more than 15 hours of music that Wagner took almost 30 years to write, under the patronage of King Louis (Ludwig) II of Bavaria.
The work was inspired by German and Scandinavian heroic tales but also had the influence of the revolutionary movements of the nineteenth century towards radical change in the established orders.
Wagner conceived a fantasy universe populated by mythical gods, men and other beings, including the Nibelungs (dwarves that live inside the earth). Nature is violated and its laws are ignored. Power and greed dominate but, in the end, love ends up winning. It all ends with the gods watching helplessly their destruction.

The main characters include:
- The Gods: Wotan (bass-baritone), disguised as a traveler (wanderer) in the opera Siegfried, Fricka (mezzo-soprano), his wife, Loge (tenor), god of fire, Freia (soprano), goddess of youth, sister of Fricka, Donner (baritone), god of thunder, Froh (tenor), god of happiness, Erda (contralto), goddess of the earth.
- The Walsungs, children of Walse (Wotan): Siegmung (tenor), Sieglinde (soprano), and twin brothers and Siegfried (tenor) their son.
- The Valkyries, warrior maidens daughters of Wotan: Brünnhilde (soprano), Waltraute (mezzo-soprano), and seven more.
- The 3 Norns (soprano, mezzo-soprano and contralto), daughters of Erda, who weave the rope of destiny.
- Daughters of the Rhine (soprano and contralto), 3 nymphs.
- Hunding (bass), Sieglinde's husband.
- A forest bird (soprano).
- The Nibelungs Alberich (baritone), Mime (tenor), Hagen (bass), son of Alberich and other dwarves that inhabit the Nibelheim, an underground kingdom.
- The giants Fafner (bass) and Fasolt (bass-baritone) that build Walhall the castle of the gods.
- The Gibichungs, Gunther (baritone) and Gutrune (soprano), inhabitants of a royal palace on the Rhine.

The leitmotiv:
Musically The Ring is a work of gigantic proportions, which contains some of the most beautiful musical passages ever composed and which is dominated by leitmotiv (leitmotifs). These are recurring themes, each associated with an element of the drama, which give unity to the work.
Wagner defined them as melodic orchestral moments that constitute an emotional guide.
The fundamental symbol of the work is the leitmotif of nature (which opens the Rhinegold), from which everything arises and where everything returns. It undergoes successive melodic transformations according to the evolution of action. The same goes for more than 200 leitmotiv that comprise the Ring, associated with characters, objects, events and emotions.

Very briefly, what happens in each opera:

In Das Rheingold, the Nibelung Alberich steals the gold to the daughters of the Rhine, which gives absolute power to those who make a ring with it, but renouncing love. Wotan has to deliver Freia to the giants Fafner and Fasolt as payment for the construction of Walhall, the castle for the gods. Fricka, his wife opposes. With the help of Loge, Wotan descends into the depths of the earth, the Nibelhein, kingdom of the Nibelungs, where Alberich enslaves them, and where his brother Mime built a magic helmet that turn invisible those who wear it. Wotan arrests Alberich (which was transformed into a frog by the the effect of helmet) and recovers the gold, the helmet and the ring in exchange for his release. Alberich curses to the ring. Erda, the goddess of the Earth warns Wotan about the twilight of the gods if he is not to get rid of the ring. Wotan in exchange for Freia, gives the giants the gold, the helmet and the ring. The curse of the ring starts: Fafner kills his brother Fasolt. The gods ascend to Walhall.
At the beginning of The Walküre Siegmung fights during a storm and takes refuge in a hut where it is received by Sieglinde. Her husband Hunding arrives, recognizes him as an enemy and challenges him to a mortal combat next morning. Sieglinde gives her husband a soporific drink. Siegmund tells Sieglinde that he was separated at birth from his twin sister. They fall in love instantly, she tells him his real name and shows him, the sword Nothung that their father (Walse, Wotan pseudonym) has left for him, nailing it to an ash. Siegmung retrieves the sword and escapes with Sieglinde, his twin sister and wife. Everything was planned by Wotan to ensure the continuation of his power.
Wotan creates an army of Valkyries, chaste daughters, to join an army of dead heroes to serve in Walhall. Fricka confronts him and requires that he orders his favorite daughter Brünhilde to kill Siegmund for his incestuous behavior. Brünhilde is impressed with the loving dedication of Siegmung to Sieglinde. She decides to protect him, disobeying his father.
In vain. In the fight with Hunding, Siegmund is killed because Wotan breaks his sword. Immediately, Wotan kills Hunding. Brünhilde escapes on her horse Grane with Sieglinde and the remains of the sword Nothung.
The Valkyries collect the bodies of dead heroes to, in a new life, protect the gods in Walhall. Sieglinde is pregnant and Brunhilde gives her the remains of the sword and tells her to flee to the forest.
Wotan punishes her for disobedience. He condemns her to become mortal and to sleep on top of a mountain, protected by a sacred fire, from which she can only be awakened by the greatest of heroes. The leitmotif of Siegfried (not yet born) reveals that he will be the one.

In Siegfried, the Nibelung Mime, that raised Siegfried (because his mother Sieglinde died in childbirth), plans to use him to kill Fafner (now transformed into a dragon) and retrieve the ring, the gold and the magic helmet. However, he can not reassemble the sword Nothung. Wotan appears disguised as a traveler (wanderer) who challenges him to a contest of questions, losing the life the one that fails. Mime fails to discover the answer to who will be able to rebuild the sword. That can be done only by someone who does not know what fear is - Sigfried.
Alberich also surrounds Fafner’s cave, trying to get the gold. Siegfried is sent there by Mime and as he knows no fear, kills the dragon. By iaccident he tastes the dragon’s blood begins to understand the singing of a bird that advises him to take the ring and the helm and warns him that Mime plans to to kill him. Siegfried kills Mime and is taken by the bird to the cliff where fire protects Brünhilde, his future wife.
Erda tells Wotan again that the twilight of the gods is close. Siegfried confronts Wotan and breaks his spear with the sword Nothung. Brühnilde wakes with a kiss, she gives up immortality and Walhall, and dedicates to love Siegfried, what that was predestined.

At the beginning of Götterdämmerung, the three Norns, daughters of Erda, remember the disasters of the past and predict the destruction of the gods.Siegfried, before leaving the cliff, gives Brunhilde the ring as a symbol of their love and faithfulness. Brühnilde reciprocates handing him her horse Grane.
In the Gibichung palace, a royal family of the Rhine, Hagen, son of Alberich gives Siegfried a drink that makes him forget any woman. Siegfried and Hagen continue the fight of their parents.
Siegfried falls in love for Gutrune, sister of King Gunther who is to marry Brünhilde. Valkyrie Waltraute visits Brünhilde and tries (in vain) that she waives the ring, saving the gods. Siegfried arrives disguised as Gunther by magic helmet, get his ring and sleeps with her separated by the sword Nothung.

Hagen hears his father asking him to regain the ring and kill Siegfried. Gunther arrives with Brühnilde and Siegfried does not recognize her. Upon seeing the ring on his finger, she accuses him of treason, which Siegfried denies, claiming not to be married to Brünhilde. She is convinced by Hagen that Siegfried must die.
Siegfried goes hunting and is warned by the Daughters of the Rhine that his death is near. Hagen gives him a potion and he remembers Brünhilde again. He is killed by Hagen and his dead body is taken to the palace. Again the curse of the ring manifests itself when Hagen kills Gunther trying to take the ring from Siegfried, but who gets it is Brünhilde. To break the curse, she throws herself with the ring onto the funeral pyre of Siegfried.Wallhal is consumed by fire, the Daughters of the Rhine recover the ring and drown Hagen.

As for the Ring:
Das Rheingold: It is built with the stolen gold to the Daughters of the Rhine and is owned by Alberich, Wotan, Fasolt and Fafner gets it.
Die Valkürie: remains with Fafner.
Siegfried: It's taken from Fafner by Siegfried that keeps it.
Götterdämmerung: Siegfried offers it to Brünhilde, gets back Siegfried and again to and Brünhilde, and ends back with the Daughters of the Rhine.

Already this season wagner_fanatic watched a complete ring cycle, in London, as reported here, here, here and here.

In the coming days I will post my experience with the Ring Cycle in Munich.

10 comentários:

  1. Serviço público, caro Fanático_Um.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado Paulo. Deu-me trabalho mas, sobretudo, muito prazer, escrever este e os textos que se seguirão sobre o Anel.
      Fui revivendo uma das experiências mais marcantes que tive até hoje no que à opera respeita.

      Eliminar
  2. Caro Fanático_Um,
    Muito obrigado pelo seu brilhante texto introdutório do Anel. É um trabalho excelente, quer no conteúdo, quer na forma. Parabéns!
    Para mim que sou um ignorante confesso no Anel - e poderia dizer, infeliz e incultamente - em Wagner no geral, é uma excelente forma não só de resumir a obra, como de motivar um enorme interesse por essa epopeia operática do grande compositor alemão.
    Estamos, pois, perante uma lição de ópera!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado pelo simpático elogio, mas é excessivo.
      Contudo, acho que vai ficar agradado quando vir os textos sobre as 4 óperas deste Anel (presunção minha!). Depois julgará por si. Amanhã ainda colocarei um texto mais "generalista" mas, a partir do dia seguinte, seguem os referentes às 4 óperas.

      Eliminar
  3. Permita-me citar esta excelente passagem:

    "Wagner concebeu um universo fantástico povoado por deuses míticos, homens e outros seres, entre eles os nibelungos (anões que vivem no interior da terra). A natureza é violada e as suas leis são ignoradas. Dominam o poder e a ganância mas, no final, o amor acaba por vencer. Tudo termina com os deuses a assistirem, impotentes, à sua destruição."

    porque é a melhor forma de introduzir o Anel.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado PZ. Mas é sempre muito difícil escrever aquilo que é para ouvir e ver!

      Eliminar
  4. Não irei esquecer de visitar sempre este texto cada vez que estiver para ir a uma récita de uma das óperas do Anel do Nibelungo.
    Partilho aqui algumas possíveis introduções ao Anel:
    i) Para perceber o poder musical que incorpora e de uma forma muito acessível financeiramente: o DVD "Wagner, The ring Without Words", Berliner Philharmoniker, dirigida pelo Lorin Maazel. Resume o Anel em 83 minutos orquestrais apenas e julgo que no final qualquer um tem vontade de muito mais, mesmo as "mais de 15 horas". É um DVD que tem estado há muito tempo em destaque na FNAC e a um preço muitíssimo acessível. A qualidade da gravação vídeo é excelente (mas é DVD, e logo limitado pela definição de imagem num DVD).
    ii) para alguém mais curioso sobre os Leitmotiv ao longo de toda a tetralogia, então recomendaria a caixa com 2 CDs da Decca: "An introduction to Der Ring Des Nibelungen", por Deryck Cook ao piano e a explicar-nos como se fosse uma aula, tema a tema (em Inglês).
    iii) para quem tiver senso de humor e quiser uma primeira introdução à história no Anel (e também um pouco dos leitmotivs) então poderá ver a paródia que Anna Russell fez ao longo de anos e anos e que se encontra por exemplo aqui:
    http://www.youtube.com/watch?v=Cv7G92F2sqs (são 3 partes).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Francisco,
      Obrigado pelo texto e pelas sugestões.
      É sempre um encanto (re)ver Anns Russell.

      Eliminar
  5. achei no pirate bay a opera completa em .avi

    quem manifestar interesse fica a dica

    ResponderEliminar
  6. no piratebay exite as quatro partes completas, conforme segue na descrição:

    (DVD Rip of the whole cycle. English subtitles! (inserted into the movies). Enjoy the sublime beauty!).

    Aposto meu polegar direito que vários espiritos de primeira classe manifestar-se-ão.
    então, que se iniciem os downloads.

    ResponderEliminar